Siga por e-mail

terça-feira, 15 de junho de 2010

Coisas que um professor precisa falar

Este é um desabafo de fim de semestre, que eu estou pensando seriamente em transformar em texto e ler no primeiro dia de aula a fim de tornar o meu trabalho mais tranqüilo. Sei que alguns colegas de docência universitária irão concordar:


Caro aluno,

Preste bastante atenção nas informações que seguem abaixo:

1 - Atestado médico não abona falta, só justifica e eu não posso fazer nada a respeito.

2 - Conciliar o seu ganha pão com a faculdade é sua responsabilidade. Portanto, declarações de trabalho não significam nada pra mim.

3 - Se você está formando é porque consegue fazer muitas coisas ao mesmo tempo, desta forma, também não é minha responsabilidade te fornecer tempo dispensando-o das minhas aulas.

4 - Por mais que você se recuse a acreditar, cópia da internet é plágio. E isso é crime! Aceite e viverás melhor.

5 - O mercado agradece qualquer tipo de incompetência sua. São menos concorrentes, e eu professor, membro deste mercado, tenho prazer em te reprovar por incapacidade.

6 - Desde a 4ª série que você faz provas à caneta. Essa pergunta já deu o que tinha que dar! Aliás, você já não tinha perguntado isso na N1?

7 - Você pode não acreditar, mas eu vou realmente ler seus trabalhos.

8 - Eu não dou meu endereço para entrega de trabalhos e se você aparecer por lá eu chamo a polícia. Isso é invasão de privacidade.

9 - Não acreditarás nas instruções dos seus colegas, elas certamente estarão erradas. Cola em mim que é sucesso!

10 - Não achou o texto na xerox? Conhece aquele lugar chamado biblioteca? Pois é...lá tem tudo original e é de graça, acredita?!
Ufa, tô muito mais aliviada!

Por Francielle Felipe

quinta-feira, 3 de junho de 2010

As palavras

Incrível como de repente, algumas palavras e dizeres caem no automatismo e deixam de fazer significado real, perdem sua taxa de informação: bom dia, boa tarde, vá com Deus, tenha uma boa viagem, como vai...
Raramente as proferimos almejando ou impregnando-as do seu sentido real. Me dei conta disso hoje pela manhã na fila do supermercado quando um sujeito, que nunca vi, olha para mim sorridente e diz "Bom dia, como você está?", eu meio sem jeito, no fundo implorando que ele não me importunasse mais e imaginando que tratava-se apenas de boa educação, respondo: "Tudo bem".
Ele olha para mim e comenta: "Que bom! Só da gente estar vivo, ter saúde e bons amigos não precisa de mais nada! Se Deus me conservar do jeito que estou até o fim da vida serei eternamente grato. Olha que eu não tenho nada de meu."
Sorri. Não disse nada, mas aquilo me tocou tão profundamente! (coisa de canceriana)
Parei para pensar o quanto significativo e abençoado é poder dizer que está tudo bem em sua vida. Em um segundo de prece, agradeci ao alto a existência, a saúde, os bons amigos e minha família.
Isso me fez bem, muito bem.
Realmente ouvir o que nos dizem e falar com a intenção própria de cada palavra para sentir melhor quem está ao nosso redor, faz a diferença em nossas relações interpessoais. Pelo menos fez pra mim.

Francielle Felipe