Siga por e-mail

quinta-feira, 3 de junho de 2010

As palavras

Incrível como de repente, algumas palavras e dizeres caem no automatismo e deixam de fazer significado real, perdem sua taxa de informação: bom dia, boa tarde, vá com Deus, tenha uma boa viagem, como vai...
Raramente as proferimos almejando ou impregnando-as do seu sentido real. Me dei conta disso hoje pela manhã na fila do supermercado quando um sujeito, que nunca vi, olha para mim sorridente e diz "Bom dia, como você está?", eu meio sem jeito, no fundo implorando que ele não me importunasse mais e imaginando que tratava-se apenas de boa educação, respondo: "Tudo bem".
Ele olha para mim e comenta: "Que bom! Só da gente estar vivo, ter saúde e bons amigos não precisa de mais nada! Se Deus me conservar do jeito que estou até o fim da vida serei eternamente grato. Olha que eu não tenho nada de meu."
Sorri. Não disse nada, mas aquilo me tocou tão profundamente! (coisa de canceriana)
Parei para pensar o quanto significativo e abençoado é poder dizer que está tudo bem em sua vida. Em um segundo de prece, agradeci ao alto a existência, a saúde, os bons amigos e minha família.
Isso me fez bem, muito bem.
Realmente ouvir o que nos dizem e falar com a intenção própria de cada palavra para sentir melhor quem está ao nosso redor, faz a diferença em nossas relações interpessoais. Pelo menos fez pra mim.

Francielle Felipe

2 comentários:

Luiz Gonzaga disse...

Oi Ana!!! Boa reflexão! Engraçado que eu tive a mesma reflexão há um tempinho atrás também ó: http://luizgonzaga.eti.br/2010/04/29/o-poder-das-palavras/

Nut. Juliana Tolêdo disse...

Oi, amiga linda! Isso é bem verdade. E as ações também. Um dia no supermercado um homem me ofereceu para que eu colocasse minhas compras no carrinho dele, na fila enorme do caixa rápido, pois eu estava toda aptrapalhada, sem cestinha ou carrinho. Coloquei as compras e ele, educadamente me deu liberdade para eu colocar a bolsa também. Relaxei e me encantei, pela educação simples e pura, sem cantadas ou segundas intenções. Nossa, às vezes a gente estranha o que deveria ser regra...