Siga por e-mail

segunda-feira, 8 de agosto de 2011

Ser ou Estar "Mulher objeto"

O problema da “mulher-objeto” não é ESTAR na condição de objeto, mas sim SER objeto. Não há submissão em estar na condição de objeto quando, enquanto sujeito, se tem consciência dessa condição, e da transitoriedade dessa condição. Não há submissão nem ofensa à dignidade da mulher quando a exaltação da beleza feminina se dá em um jogo que envolve: desejos, recompensas, fantasias, alternância de posições sujeito/objeto, prazeres e satisfações para si e para o outro. 
Mas há submissão e perda de dignidade em se tornar o objeto, tão somente o objeto, e definitivamente. Em perder-se como sujeito, transformando-se (consciente ou inconscientemente) em um corpo sem voz, sem vida, sem desejos próprios, que nada mais tem a oferecer senão uma bela embalagem. 

Saber ESTAR na condição de objeto é, sim, louvável! 
SER objeto é uma afronta irreparável à inteligência feminina.


Por Clarissa Motter, publicitária e mestranda em Comunicação e Cultura - UFG.

Um comentário: